Back to top

Como contribuir para a coleção de histórias ferroviárias

A fim de contribuir para o programa «Trains & Tracks» da EUROPALIA, a Casa da História Europeia está a criar uma coleção pan-europeia em linha de histórias pessoais sobre viagens de comboio através das fronteiras nacionais, enquanto experiência europeia formativa comum.

Pode enviar um breve vídeo sobre este tema, respondendo às seguintes perguntas:

  • Que memórias tem de viagens de comboio transfronteiriças? Há alguma em particular que deseje partilhar connosco?
  • Que efeito teve em si a possibilidade de viajar de comboio, ou a impossibilidade de o fazer, durante esta época?
  • O que foi mais importante para si? A viagem ou o destino?
  • Que influência tiveram estas experiências na sua vida atual?

Orientações técnicas:

  • Apresente-se e, se for caso disso, descreva a organização para a qual trabalha.
  • Os vídeos devem ter no máximo 120 segundos, com uma pequena pausa entre cada resposta. Podem ser preparados em qualquer uma das 24 línguas oficiais da UE.
  • Certifique-se de que o som é de boa qualidade, utilizando um microfone ou equipamento «mãos livres» e gravando num local silencioso.
  • Pode enviar também fotografias, acompanhadas da informação pertinente sobre os direitos das imagens, que poderemos acrescentar aos vídeos.
  • De preferência, os ficheiros devem ser enviados nos seguintes formatos: jpeg, mp4, mov.
  • Os contributos devem ser enviados através do «WeTranfer» para o endereço de correio eletrónico historia-press@ep.europa.eu ou gravados nesta pasta de Google Drive.
  • Preencha o documento de autorização para consentir a utilização do seu contributo no nosso sítio Web e no museu, bem como a divulgação de extratos nas nossas páginas das redes sociais.

Contexto:

Os comboios, graças à sua capacidade para atravessar as fronteiras regionais e nacionais, tiveram e continuam a ter muita importância para a Europa e para os europeus. A partir da década de 1840, as redes ferroviárias começaram a expandir-se por todo o continente. Este novo meio de transporte veio reduzir o tempo de viagem e transformou completamente a forma como vivemos o tempo e o espaço. No contexto da revolução industrial, o comboio tornou-se um símbolo de progresso e de modernidade.

Porém, os comboios também foram por vezes utilizados para fins mais obscuros, tendo contribuído para a exploração dos recursos coloniais e para o transporte de tropas durante as guerras. As mais graves atrocidades associadas aos comboios referem-se, no entanto, à utilização de vagões de gado para a deportação de milhões de judeus europeus durante a Segunda Guerra Mundial. Depois da guerra, o comboio tornou-se um meio de transporte que estimulou o turismo e a mobilidade por toda a Europa, pelo que acompanhou os processos de integração europeia e de europeização do continente.  Quando foi inventado, o comboio simbolizou a aceleração da sociedade, mas atualmente, pelo contrário, este meio de transporte representa a necessidade de abrandar o nosso estilo de vida e de encontrar formas de viajar mais sustentáveis.

A questão da liberdade de circulação e das viagens transfronteiriças é ainda hoje muito importante na sequência, por exemplo, dos controlos fronteiriços durante a pandemia de COVID-19 e das preocupações nacionais sobre a imigração, que contribuíram recentemente para o aumento do sentimento anti-UE. Os comboios são um assunto de atualidade enquanto questão política no domínio ambiental para reduzir as emissões de carbono, no domínio económico para permitir a circulação de bens e de trabalhadores através das fronteiras e no domínio cultural para ajudar os jovens a adquirir perspetivas mais amplas durante os seus anos de formação.