Back to top
Tinker Imagineers, Utrecht, Países Baixos

No rescaldo da guerra, ainda não existia uma cultura juvenil específica na Europa. Porém, as novas culturas juvenis emergentes, de influência americana, atraíram um grande número de jovens europeus desejosos de expressar a sua individualidade e a oposição ao conformismo da sociedade. Assim, surgiram diferentes subculturas em quase todos os países: os «Teddy Boys» e os «Rockers» no Reino Unido, os «Blousons noirs» em França, os «Teppisti» em Itália, os «Nozem» nos Países Baixos, os «Halbstarken» na Alemanha, os «Bikinarze» na Polónia, os «Jampecok» na Hungria, os «Malagambisti» na Roménia, os «Potápkas» ou «Páseks» na Checoslováquia e os «Stilyagi» na União Soviética.

As autoridades do Leste e do Ocidente ficaram apreensivas com a ascensão das subculturas juvenis. Cada vez mais, estes jovens eram considerados como arruaceiros e delinquentes juvenis pelas autoridades governamentais e pela polícia, que os perseguiam devido à sua aparência.